O 1º passo para uma Liderança Especial, Inovadora e Única.

O 1º passo para uma Liderança Especial, Inovadora e Única.

Porquê aprender a Diagnosticar o PAIN?

Imagine ir ao médico e mal entra no seu consultório ele entrega-lhe uma prescrição. O que pensaria disso? E se mesmo antes de falar ele lhe dissesse que a sua cara de poucos amigos era devido a um problema de sono?

E se o seu problema fosse monetário? E se você estivesse simplesmente a padecer de um quadro sintomático de ansiedade e a precisar de fazer algum exercício físico e de relaxar um pouco mais? Poderia fazer sentido algo do género?

Apesar do enunciado ser fictício, muitas destas questões colocam-se no dia a dia com mais regularidade do que pensa. Temos pressa em encontrar soluções externas quando na realidade a resposta é interna. Temos vontade de fazer tudo ao mesmo tempo e não percebemos que não somos robots. E temos ainda mais pressa em produzir, esquecendo-nos que a qualidade para além de ser um requisito é também uma grande virtude!

Na voracidade do dia a dia, perdemos muito ao querer fazer tudo ao mesmo tempo! Queremos fazer o multitasking e bloqueamos com mais frequência do que imagina! Por isso se sugere dedicar mais tempo e disponibilidade às tarefas importantes.

Podemos estar menos tempo em determinadas situações, contudo, dedicando foco e atenção de corpo e alma em cada situação, fará muito mais do que pensa, pois o multitasking é um mito e o nosso cérebro precisa de tempo e de foco para as coisas que faz.

O que é necessário para mudar uma pessoa é mudar sua consciência de si mesma.

-Abraham Mawlow

Diariamente somos confrontados com diversas situações e conflitos que poderiam ser evitados, pura e simplesmente, se quem gere a situação soubesse mais sobre o diagnóstico de PAIN's. Este é o primeiro passo para quem se assume como um líder, conhecer melhor o funcionamento do seu cérebro e como a sua mente perceciona o valor das coisas.

Aprender a observar melhor, a escutar melhor e a interpretar melhor as suas emoções são os passos críticos para um desempenho de excelência. E os verdadeiros líderes sabem disso e muitos deles o fazem de forma intuitiva.

Aqui, a ideia seria não apenas usarmos a intuição, que é sem dúvida muito importante, como também entender de forma consciente os pressupostos científicos que estão por detrás de todas estas ações e que interferem na produtividade dos líderes e no desempenho das suas Equipas.

Diagnosticar o PAIN significa compreender a extensão dos seus próprios problemas e dos problemas da sua Equipa, mediante o uso de competências das chamadas soft skills e de alguns instrumentos capazes de analisar o Perfil Comportamental de cada um de nós!

Quando isto acontece e quando encontramos tempo para dedicar a quem nos segue, o resultado é imediato, as emoções tomam conta de nós e no nosso cérebro a química e a eletricidade fazem o resto do trabalho.

Ganha-se uma equipa, quando de está disposto a trabalhar num plano único e especial de inovação que possibilita o alto desempenho em todos os elementos que dela fazem parte.

Por isso deixo aqui uma sugestão, no seu próximo encontro/discurso, dedique apenas 1/4 do seu tempo ao discurso e os restantes 3/4 do tempo a diagnosticar o PAIN.

Como?

Heitor Fox

Neurocoach/Trainer